9 de ago de 2011

Parte 05

Ahh que lindo dia, é sobre vários sorrisos e momentos que venho descrever cada detalhe aqui!
Eu estava de aniversário hoje, é 16 anos, e o Sam preparou para mim ir em um baile de deputantes, você sabe todas aquelas regras rigidas, de só sair em festas apartir dessa idade, e bom, eu pensei que eu não iria, mas por fim consegui um vestido e foi incrivel.
Foi uma das sensações mais estranhas e confusas quando abriram a porta e me deparei com jovens tão lindos, não que eu não seja bonita, sou mais para estranha e delicada, escondida entre sedas e de preferência em um mundo só meu, sem opiniões sem argumentos.
É e hoje conheci alguém, bom que está me tomando sorrisos até agora.Que penetrou em meus pensamentos de tal forma, que não lhe tiro sua face de minhas entrelinhas, tão estranho tudo isso que nem sei o nome de quem tem um sorriso tão lindo, um jeito doce e meigo de tratar as moças, umas falas tão lindas, e descobri a meia hora mais ou menos que ele é meu vizinho. Conhecidencia não?
Saindo da festa, com aquelas brisas de inverno eu no meu vestido com frio, ele chegou todo sorridente no meu lado e falou:
-Belo vestido.
-Obrigada- respondi meio sem jeito, e então ele foi tirando seu paletó e falando:
-Olha coloca isso, irá pegar um resfriado!
-Não precisa, eu... -Mas ele já havia posto.
-Vamos para a mesma direção,- falou ele virando e seguindo comigo.
-Linda festa...
-Amo essas festas, principalmente todas princesas que andam nela. 
Dei um sorrisinho de lado e quando vi já estava em frente à minha casa.
-Bom toma seu palató.
-Não, pode ficar com ele, amanhã você devolve, somos vizinhos, acho que seria bom te ver de novo!
-Hã, claro, então ta, bem... -Pare de falar Carlota é claro que ta ótimo, ele quer te ver de novo.
-Ok, até amanhã então.
Então ele sorrio, acenou e partiu, me deixou ali, com aquele paletó sobre mim, com um perfume, tão suave, que havia me conquistado desde já. E bom, espero que amanhã seja mais lindo ainda o dia. Boa noite, lhe desejo uns belos sorrisos, assim como os que estou sentindo agora.
Setembro de 1937, Carlota.

Um comentário: