22 de nov de 2011

Respingos de desilusão

Acordei no meio da noite, ainda sonolento.
Lá fora chovia fortemente,
os ventos derrubavam as pitangas
                           [do vizinho,
que estavam vermelhas de maduras.

Aqui dentro também chovia fortemente.
Queria voltar a dormir,mas algo me impedia.
A janela da sala estava batendo
                           [sem rumo,
como se pedindo para ser fechada.

Sozinho naquela noite, meio singular,
tentando voltar ao que me parecia estar bom,
o sono me consomia, mas eu não podia dormir.
A janela já estava fechada, o vento já tinha parado
assim como a chuva. 
                          [ mas meu coração não.

Henrique Abrantes e Karoline Soares

Começa a jornada Cantinho de sonhos, e o primeiro
texto veio da querida Karoline Soares
Um blog, encantador, e digo isso porque amei de verdade,
seu poema se descreve nas mesmas entrelinhas 
algo que te prende do inicio ao fim.

6 comentários:

  1. Karine :)
    Belo texto e muita sensibilidade sua em posta-lo aqui >.<

    Beijos e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  2. Noites de chuva: me inundam de saudades

    ResponderExcluir
  3. Simply want to say this web site is kinda awesome

    From Everything is Canvas

    ResponderExcluir
  4. Que poema bonito Tão simples e sincero e intenso, de certa forma. Abrange uma tempestade e tanto.

    ResponderExcluir